// outras publicações

educação

Esta tag está associada com 2 postagens

Exercício I, Escrevendo com Autores, Grupo B

A animação em questão demonstra a forma como o grupo encarou o diálogo existente entre os escritos de Bomfim e Zaia a fim de promover a constituição de um campo teórico do Design. O grupo inicialmente pensou em estabelecer esse diálogo a partir de uma ramificação de polos com o objetivo de atingir uma interseção. O texto de Zaia, “A teoria como hipótese”, representando o campo da educação e Bomfim, com “Sobre a possibilidade de uma teoria do design”, o design. A partir destes dois polos, elementos como “Teoria”, “Prática”, “Crítica”, “Fundamentos”, “Conhecimentos”, “Disciplinas” e se este seria um questionamento relativo a elementos específicos e determinados ou indeterminados “A ou UMA”.

Contudo, após muita deliberação, o grupo entendeu que o diálogo não precisaria se dar necessariamente desta forma. Em vez de entender os escritos como polos distintos com elementos em comum, incorporou-se a simplicidade organizacional empregada por Bomfim para promover o entendimento de que seria mais adequado falar de ciclos.  Assim, questões poderiam suscitar disciplinas e conhecimentos, que por sua vez poderiam estimular teorias e práticas, que por sua vez provocariam mais questões. Entende-se também que não existe um sentido obrigatório para este ciclo, mas que a comunicação entre todos estes elementos promova um determinado entendimento a partir do fim do ciclo.

Uma vez finalizado o ciclo, mais questões surgirão e, portanto, um novo ciclo se iniciaria despertando a comunicação com os outros elementos. Consequentemente, o diálogo entre Zaia e Bomfim, no que diz respeito ao design, é representado por uma estrutura helicoidal que não lida com polos opostos, mas um processo de comunicação entre diversos elementos multidisciplinares. Da mesma forma, assim se estruturou o trabalho do grupo: por meio de um processo.

GRUPO:

Arthur Protasio, Bianca Martins, Claudia Bolshaw, Gabriel Cruz, Liliana Gutiérrez.

REFERÊNCIAS:

BOMFIM, Gustavo. Sobre a possibilidade de uma teoria do design. In: Anais do P&D Design 94, 1994, pág. 15-22.

BRANDÃO, Zaia. A teoria como hipótese. In: Pesquisa em Educação: conversas com pós-graduandos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: São Paulo: Loyola, 2002, pág. 61-72.

A relação educação, ciência e interdisciplinaridade

Gildemarks Costa e Silva

O autor discute a relação entre educação, ciência e interdisciplinaridade. Mostra a  importância de configurar-se uma teoria pedagógica com poder de verdade diante de outras áreas do conhecimento humano, para, em seguida, passar em revista alguns autores que se fazem presentes no debate epistemológico do campo pedagógico. Após problematizar as diferentes posições de alguns autores, posiciona-se por uma perspectiva interdisciplinar para a educação, o que permitiria uma autonomia relativa do pedagógico.

SILVA, Gildemarks Costa. A relação educação, ciência e interdisciplinaridade. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 81, n. 199, p. 403-414, set/dez. 2000. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/index.php/RBEP/article/viewFile/129/129